Pages

31 de outubro de 2010


Os versos que te dou



Fascinada em delírios do amor que te sinto,
rabisco palavras lascivas num papel desbotado,
rebentos de lágrimas marcadas pelo tempo,
busco nas lembranças 
o formato do teu rosto enevoado...

Mantenedora ainda desse discurso cheio de sentimentos,
a pena tem pena de rabiscar palavras soltas, 
mas o coração escreve
transparências, argumentos, sintomas 
da prisão que estou envolta.

O papel funde grafias distorcidas
já que a voz falha 
e atrapalha o meu expor,
um destino sem páginas 
se apresenta,
tentando registrar 
meu endividamento de amor.

Escrevo meu avesso,
as feridas lambidas pelo tempo.
Escrevo a ausência 
de mim mesma,
as estruturas psíquicas 
de um amor doente, mordaz,
porém, translúcido e intenso, 
eterno além das dores,
porque amores são amores
em nada iguais.

EDNA FIALHO



3 comentários:

  1. Mais uma vez, parabéns!
    Você é muito boa com as palavras. Muito linda também. Menina de ouro! Bjus

    ResponderExcluir
  2. Que feeling artístico vc tem!
    Chega a comover quem gosta de poesias. Muito profundo e simples como a vida...Deus te abençõe!
    Tá lindo!!!

    ResponderExcluir
  3. O poema é lindo, as fotos são maravilhosas, o contexto é perfeito. Caracas que lindo esse trabalho :)
    *****************
    LINDO!!!!!!!

    ResponderExcluir